ARAGUARI, 121 ANOS

Atualizado em 25/08/2009 as 22:25h

Tudo começou quando em princípios do século XIX foi criado o povoado sob a invocação do Senhor Bom Jesus da Cana Verde do Brejo Alegre. Um povoado é elevado à freguesia quando a administração religiosa e civil é sobreposta. A igreja católica, quando elevada à paróquia adquire o direito de realizar os sacramentos e passa a contar com um padre, sendo necessário que haja uma capela. Em torno da capela inicia-se a formação do povoado com a construção das primeiras casas.

Em 02 de abril de 1840, através da Lei Provincial nº 1847 foi criado à freguesia do Brejo Alegre. Em 1864 a Lei Provincial n° 1.195 de 6 de agosto, criou o distrito de Ventania. Em 19 de outubro de 1882 a Lei Provincial n° 2.996 elevou o arraial da Ventania à vila de Brejo Alegre. Em 31 de março de 1884, deu-se a instalação do município, dando posse à sua primeira Câmara.

Em 28 de agosto de 1888, a Lei n° 3.591 elevou a Vila de Brejo Alegre à categoria de cidade de Araguary (região das águas cristalinas). O nome e o projeto são de autoria de Pe. Lafaiete de Godoy, que nessa ocasião, era Deputado Provincial (Fonte: Arquivo Público Municipal).

De 1840 a 1888, ou seja, 48 anos foram necessários para que, de freguesia Araguari se tornasse cidade. Como se pode observar, uma cidade não se nasce do dia pra noite. Para que a geração atual possa conhecer esse legado foi necessário um trabalho de registro histórico ao longo de todos esses anos, de preservação e manutenção do nosso patrimônio cultural. De 1888 a 2009, ou seja, em mais de 121 anos foram construídos um legado, onde muitas pessoas contribuíram para que Araguari chegasse ao século XXI com uma identidade arquitetônica, urbanística e paisagística, bem como, política, empresarial, histórica, cultural e artística.

Entre essas pessoas destaca-se: Pe. Lafaiete de Godoy (deputado provincial); Tertuliano Goulart (presbítero); Achiles Widulick (engenheiro ferroviário); Prof.ª Odette Machado Alamy (musicista); Dr. José Jheovah Santos (prefeito); Luiggi Chiovato (imigrante italiano fazendeiro); Joaquim Aníbal (comerciante); Padre Nilo Tabuquini (religioso católico); Adolfo Carlos Carísio (construtor e líder espírita); Geraldo França de Lima (escritor); Júlio Erbetta (eletricista da Cia Prada); Dr. Calil Porto (primeiro cardiologista em Araguari), José Francisco de Campos (panificador); Realino Vieira Guimarães (pastor batista); Nephitali Vieira (farmacêutico); Geraldo Vieira (fotógrafo); Abdala Mameri (historiador); Luiz Nasciutti (industriário); Hermogênio Dorázio (industriário); Afif Rady (tipógrafo); Milton Lemos da Silva (prefeito); Milton Lima Filho (deputado); Dr. Sebastião Campos (médico pediatra); Romeu de Campos (taxista); Wanda Pieruccetti (professora); Antônio Fernando Perón Erbetta (advogado); Odilon Neves (radialista); Ney Montes Pinto (esportista); Marizete Nader (jogadora de futebol feminino); Latifa Cafrune (datilógrafa); Ronan Barbosa (contabilista); Euclides Luciano - Bim (jogador de futebol); Jofre Alves Martins – Patesco (vereador); Marlene Rodrigues da Cunha (primeira vereadora); Jheovah Bittencourt (poeta) e a família ferroviária representada aqui por Mário Nunes e Alaor Puga. Estes são os escolhidos para homenagear tantos outros araguarinos de nascimento e de coração, de inúmeras profissões, cores, raças e religiões que fizeram e fazem desta cidade uma “cidade surpresa”.

A história de Araguari se confunde com a história ferroviária, prova disso que Achiles Widulick - engenheiro responsável pela construção do trecho da estrada de ferro Araguari – Uberlândia da Cia. Mogiana - elaborou a primeira planta projetando a delimitação urbana. Um traçado urbano muito arrojado para a época, com ruas largas e praças bem localizadas.

Araguari teve seu auge econômico com a chegada da ferrovia, tanto a Estrada de Ferro Mogiana como a Estrada de Ferro Goiás - EFG, cuja sede era em Araguari. Da mesma forma viu sua decadência com a mudança da sede da EFG em 1954 para Goiânia.

O período de baixa auto-estima se prolongou por várias décadas até o final do século XX, mas a nossa cidade volta a sorrir a partir do engajamento da sociedade em realizar o resgate de sua identidade. Inicia-se, então, o processo de retomada de auto-estima e do desenvolvimento econômico, social e cultural. Araguari volta a ser a cidade sorriso.

O século XXI é marcado com o inicio de um novo tempo. Um tempo de amadurecimento cultural com a chegada de um campus universitário. A partir desse momento os araguarinos começam a acreditar na sua força. E como a áurea da cidade mudou, novos investimentos e investidores chegam e novas oportunidades são vislumbradas.

Araguari até chegar ao que se tornou hoje passou por um caminho de grandes lutas, mas a batalha ainda não terminou. A batalha que se têm para enfrentar agora em diante é de dotar a cidade de qualidade de vida por meio de ações sustentáveis. É de criar um ambiente urbano propicio a integração do histórico com o moderno. É de dotar a cidade de serviços de saúde, educacionais, de saneamento, de lazer e de segurança pública com qualidade. É de garantir o direito de ir e vir priorizando e respeitando o pedestre, permitindo-lhe mobilidade e acessibilidade com conforto e segurança. É de criar oportunidades as pessoas, permitindo-lhes o direito de escolha para o seu desenvolvimento moral e intelecto-profissional. Enfim, é hora de entender a diferença entre desenvolvimento e crescimento e de planejar as prioridades.

28 de agosto de 2009. É momento de festa e de comemorar pela consciência de que é trabalhando que transformamos dificuldades em oportunidades pela união em torno de um único objetivo: o desenvolvimento da cidade.

Araguari, 121 anos...

... de valorização da sua identidade.

... de encantos e belezas mil.

Durante esse período nossa cidade nos ensinou que ela não precisa ser comparada a nenhuma outra, tem identidade própria, história, raízes, disposição para avançar propiciando qualidade de vida a seu povo, pois ArAguaRi é:

Infinita como o AR;

Sublime como a ÁGUA e

Agradável como um sorRIso.

Parabéns araguarinos!!!

_________________________

Alguns dados sobre a cidade (clique na imagem para ampliar):

Comentários

  1. Elencadas as pessoas que engrandeceram Araguari a gente nota que são todas estudadas, o que difere de muitos "mandantes" dos nossos dias.

    ResponderExcluir
  2. Aristeu,

    Os "mandantes" atuais precisam ainda fazer história, produzir cultura, para serem lembrados em dias futuros.

    Pelos visto, serão lembrados na seção: "Os Trapalhões".

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Comentários Moderados.
Só serão publicados após aprovação do editor do blog.
Não serão publicados comentários de Anônimos, fora do contexto da postagem ou que utilizam de linguagem inadequada.

Postagens mais visitadas deste blog

Patrimônio Cultural Imaterial e Material

As vantagens do calçamento de pedras

Seu direito de IR e VIR é respeitado?