Pesquisar este blog

sexta-feira, 1 de abril de 2011

Honra

"Não tenho medo da morte, tenho medo da desonra. Por uma razão muito simples: nossos irmãos, amigos, família, pai, mãe, filhos, netos, esposa. Nós temos pessoas que nos estimam, que acreditam em nós. Se nos comportarmos dignamente, mesmo depois de mortos não teremos morrido para eles. Se não nos comportarmos de forma que possam se orgulhar de nosso comportamento, mesmo em vida teremos morrido.” 
José de Alencar

“Quando se chega ao ápice do poder, existe o perigo de acreditar, capaz de fazer qualquer coisa que deseje, admitir que todo ponto de vista pessoal é necessariamente aceito ou pode ser imposto ao conjunto social”.
Citação feita por Aucélio Gusmão

Honra está totalmente ligada a comportamento e é o que determina o caráter de uma pessoa. Não basta dizer que é honrado, mas é necessário comprovar por meio de ações esta virtude. Tradicionalmente e culturalmente deposita-se esta virtude aos Homens de poder e de posses, por pura bajulação. Nesta cultura de honra é dificil fazer a transição para a cultura das leis, ou seja, o Homem de posses e de poder está acima de tudo e, sobretudo, acima da justiça, por pura subserviência dos fracos.

A honra está diretamente ligada a assinatura de um contrato não escrito cujo teor é o compromisso consigo mesmo e, principalmente, com seu grupo social. A verdadeira honra é como realidade à condição humana como amor, e igualmente deriva dos laços pessoais formativos que estabelecem a dignidade da pessoa.

Dr. Samuel Johnson, em A Dictionary of the English Language (1755), definia honra como tendo vários sentidos, o primeiro de que eram “nobreza de alma, magnanimidade, e um desprezo a maldade”. Esse tipo de honra decorre da percepção da conduta virtuosa e integridade pessoal da pessoa dotada com ele.

Para Aurélio Buarque de Holanda Ferreira em seu dicionário da Língua Portuguesa, honra é definida como sendo "dignidade, probidade, retidão", ou seja, "sentimento de dignidade própria que leva o indivíduo a procurar merecer e manter a consideração geral".

É importante a pessoa possuir a hombridade de reconhecer seus desvios de caráter para dar o primeiro passo nesta transformação interior. Deixar de ser hipócrita por ter um discurso contrário as suas ações já é um grande feito, principalmente para os políticos e ex-políticos de nossa terrinha.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários Moderados.
Só serão publicados após aprovação do editor do blog.
Não serão publicados comentários de Anônimos, fora do contexto da postagem ou que utilizam de linguagem inadequada.

Comentários

+ VISTAS nos 7 dias