Pular para o conteúdo principal

Espaço Público – Ponto de …


A Cidade, conceitualmente, é a organização urbana de uma comunidade: cidadãos livres e com direitos iguais. A cidade é divida em duas esferas: particular e pública. Na esfera particular encontra-se a casa (patrimônio, legado, tradições, costumes, cultura, etc...) de um grupo familiar. Na esfera pública encontra-se o espaço público urbano e as instituições: destinados ao encontro e a organização de grupos sociais.
Este artigo abordará a relação entre o espaço público urbano e os grupos sociais entendido aqui como sendo a união de indivíduos de vários grupos familiares. O encontro do grupo familiar acontece na casa que está inserida no espaço público urbano que por sua vez é gerenciado por instituições governamentais.

Na Grécia Antiga o espaço público urbano era definido como Ágora que geograficamente encontrava-se no centro da Pólis, ou seja, da cidade. Era a praça principal e no seu entorno estavam as instituições e as casas. Na Ágora o cidadão mantinha seus contatos e ali se realizavam as feiras, as discussões políticas e os tribunais populares, ou seja, era um PONTO DE ENCONTRO.

O Urbanismo contemporâneo traz esse conceito para as nossas praças e logradouros públicos. O espaço público urbano foi concebido para permitir o encontro das pessoas e suas manifestações culturais e políticas. As instituições públicas definem as regras para que o direito de cada um seja preservado.

De uns tempos para cá, as praças estão cada vez mais vazias, ociosas e sem nenhum atrativo. As instituições públicas com Leis e pensamentos arcaicos impedem o cidadão de usufruir do espaço que naturalmente foi concebido para o lazer; comércios alternativos (artesanato, quiosques); troca de ideias entre grupos organizados e principalmente, para o encontro.

Com essas aberrações de impedir o uso do espaço público urbano (entende-se aqui praças e canteiros centrais de avenidas) com equipamentos urbanos e seus atrativos para o cidadão de bem desfrutar com seu grupo familiar, as instituições públicas estão condenando o espaço público a MORTE e permitindo que nele os cidadãos se MATEM.

O espaço público que não é ocupado pela família é ocupado por grupos sociais que se perderam da família e com isso perderam o limite e o respeito por si mesmos e pelos outros. As instituições públicas corroboram para que cada dia mais o encontro no espaço público urbano aconteça não pelas famílias, mas por aqueles que não tem compromisso nenhum com a vida.

Nas Cidades atuais temos a turma do crack, do corotinho, dos assaltantes, dos traficantes, dos carros “tunados”, dos filhinhos de papai (inclusive de autoridades) com suas farras automotivas, etc. Estes grupos tomaram conta do espaço público urbano tornando-o PONTO DE DROGAS licitas e ilícitas, exatamente, por estes estarem totalmente desertos, ociosos e desprotegidos pela população de bem. Os grupos familiares tem medo de saírem para as praças pois, a população de bem não estará lá, bem como, por não haver nenhum tipo de atrativo para seus momentos de lazer. Vão encontrar apenas o que há de mais depreciativo na relação humana.

Com tudo isso, um espaço livre e igual para todos os cidadãos fica a mercê do autoritarismo de instituições públicas ultrapassadas e que não conhecem realmente a verdadeira função social do espaço público urbano. Assim sendo, o cidadão de bem fica trancado em casa enquanto o espaço público urbano é tomado por seres que deveriam estar recebendo tratamento público para suas mazelas sociais e familiares.

Tenho esperança que o espaço público urbano possa voltar a ser livre e ocupado pelas famílias. Que nele todos nós encontremos o playground; os aparelhos de ginástica; os quiosques para a compra de um suco, água de côco; as tendas de artesanato; as bancas de jornais e revistas; os teatros ao ar livre, enfim, os equipamentos urbanos integrados com a natureza de forma sustentável e que as instituições possam rever Leis arcaicas que desestimulam o convívio social no meio urbano.

Comentários

  1. Pois é. A REMOÇÃO dos lanchinhos e bancas de revistas das praças foi um tremendo erro em Araguari. O Ministério Público Estadual, equivocadamente, preferiu extinguir esses serviços, ao invés de DISCIPLINAR o uso do espaço público.
    Isso fez com que, mais do que a perda de empregos e fonte de renda de muitas famílias, esses logradouros ficaram sem movimento de gente. As bancas de jornal traziam movimento durante o dia e os lanchinhos durante a noite.
    Teria sido muito mais inteligente e proveitoso para o tecido urbano se tivessem proposto uma regulamentação. Simples assim.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Comentários Moderados.
Só serão publicados após aprovação do editor do blog.
Não serão publicados comentários de Anônimos, fora do contexto da postagem ou que utilizam de linguagem inadequada.

Postagens mais visitadas deste blog

Patrimônio Cultural Imaterial e Material

A Unesco define como Patrimônio Cultural Imaterial "as práticas, representações, expressões, conhecimentos e técnicas - junto com os instrumentos, objetos, artefatos e lugares culturais que lhes são associados - que as comunidades, os grupos e, em alguns casos, os indivíduos reconhecem como parte integrante de seu patrimônio cultural."
O Patrimônio Imaterial é transmitido de geração em geração e constantemente recriado pelas comunidades e grupos em função de seu ambiente, de sua interação com a natureza e de sua história, gerando um sentimento de identidade e continuidade, contribuindo assim para promover o respeito à diversidade cultural e à criatividade humana.

O Patrimônio Material com base em legislações específicas é composto por um conjunto de bens culturais classificados segundo sua natureza nos quatro Livros do Tombo: arqueológico, paisagístico e etnográfico; histórico; belas artes; e das artes aplicadas. Eles estão divididos em bens imóveis como os núcleos urbanos, sí…

As vantagens do calçamento de pedras

A compilação do texto abaixo reflete exatamente o meu pensamento pessoal e técnico em relação a pavimentação das inúmeras ruas de pedras da cidade de Araguari.

Tipos de Pavimentos de Ruas, Pátios e Pistas de Rolamento

O uso de pedras para pavimentar os caminhos do homem remontam aos tempos históricos. Era usado desde os gregos, os egípcios e os chineses. Por falta de tecnologia as primeiras vias eram pavimentadas com pedaços de pedra de todos os tamanhos. Com o domínio da arte de forjar ferramentas, o homem passou a cortar alguns tipos de pedras com maior simetria, que puderam ser utilizadas para diversos fins.
Usando mármore e granito o homem agora podia construir templos, igrejas, castelos e outras edificações. As ruas das cidades recebiam pavimentação a partir do corte rústico do granito, basalto, arenito e outras pedras menos rígidas.
Existem vários exemplos de estradas, ruas, praças e pátios construídas há milênios com estes tipos de pavimento e que ainda hoje servem a população, de …

Crescimento x Desenvolvimento

Sempre que se "comparam" as cidades o ponto principal é analisar "como elas cresceram".

O crescimento é baseado em números, ou seja, número de habitantes, número de indústrias, número de universidades, número de hospitais, número de vereadores na Câmara Municipal, enfim, no Brasil um número é o diferencial.

No meu entendimento, o crescimento é uma conseqüência do desenvolvimento. Para se alcançar o desenvolvimento é necessário dotar a cidade de condições para que o ser humano possa viver com qualidade de vida. Como qualidade de vida é subjetivo, ou seja, o mínimo para uma pessoa viver pode ser o máximo para a outra, depende apenas daquilo que a satisfaça num determinado momento.

Desenvolvimento é medido observando indicadores econômicos, sociais, culturais, ambientais, de sustentabilidade e o quanto isso é revertido em prol do ser humano para que ele possa ter uma vida digna.

Crescimento está diretamente ligado a quantidade, por outro lado Desenvolvimento está diretame…

Planejamento e Gestão Urbana II

1 - Introdução

O crescimento das cidades, principalmente o crescimento desordenado, leva-nos a pensar maneiras de contribuir com as cidades para que elas possam ter condições de oferecer o mínimo de qualidade de vida a geração presente e as futuras.
O processo de pensar a cidade recebe o nome de planejamento urbano. Planejar é escolher um conjunto de ações consideradas as mais adequadas para conduzir a situação atual na direção dos objetivos desejados. A execução destes objetivos fica a cargo da gestão pública. Gestão e planejamento são complementares, assim, planejamento é pensar em ações para o amanhã e gestão é o próprio fazer imediato daquilo que o planejamento delineou, na dimensão do tempo presente e dos recursos disponíveis.
2 - Planejamento e Gestão

Muitas vezes se diz que tal governo não planeja a sua cidade. O que ocorre é que atualmente os governos ainda estão presos a modelos de gestão pública onde o mais importante é o orçamento público, ou seja, define-se o quanto cada seto…

O Patrimônio Cultural - Quem é o Jacu?

Muitos dizem serem cultos e pertencerem a uma sociedade culta. Muitos se dizem entendidos de vários assuntos e chegam ao cúmulo de chamar outras pessoas de “Jacu” por discordar de suas opiniões ou costumes ou modo de vida. Que é “Jacu”? Que é cultura? Cultura se aplica somente aos Homens? Como reconhecer um Homem culto? Você se considera uma pessoa culta? Será que ser culto é apenas ler bons livros, falar e escrever em vários idiomas, viajar aos mais variados países, ir ao teatro, ser ator, autor, jornalista, radialista, apresentador de TV, professor, ter cursado um curso superior, ouvir bossa nova? Mas, vocês verão que até pra ser e chamar o outro de “Jacu” precisa ter cultura.

Para entendermos cultura precisamos compreender os fatores que contribuem para a existência de uma sociedade. Cultura está vinculado às sociedades. Sociedade pressupõe seres que compartilham a companhia de outros, tenham um idioma comum, leis ou regras de conduta, vivem em colaboração mútua em um mesmo meio ge…