Pesquisar este blog

terça-feira, 17 de março de 2009

O QUE HÁ DO LADO DOS POLÍTICOS?

A política? Os interesses? O poder? A fama? A Incoerência? Vamos observar estes itens e refletir um pouco sobre o tema.

A política é a “arte de bem governar um povo por meio de um conjunto de objetivos que enformam determinado programa de ação governamental e condicionam a sua execução”, conforme afirma Aurélio em seu Dicionário.

Quando o cidadão pela militância partidária busca o seu voto para poder exercer esta arte de bem governar (poder executivo) ou bem legislar (poder legislativo) deveria ter um plano de ação, por muitos chamados de plano de governo. Percebe-se ao longo dos anos que isso não existe, pois para chegar ao posto disputado pelo voto, basta prometer e depois “bater com os ombros”.

O plano de governo não funciona, pois os interesses partidários e dos “parceiros” falam mais alto. O cidadão que disputa um cargo político, pode até ter boas intenções, mas se ele não se adaptar ao meio, será jogado as traças e sua reputação será colocada a prova. Então, lhe faço a seguinte pergunta: quem, na prática, governa ou legisla para sua cidade?

Deveria ser quem você escolheu por meio do seu voto, porém, os interesses de alguns é que ditam as diretrizes governamentais, aquelas que deveriam estar no plano de governo e que não fora escrito devido às ingerências postuladas no decorrer da campanha e valerá para o mandato. Há interesses infinitos que não permitem a confecção de um plano de governo, pois no decorrer da legislatura tudo cairia por terra. É mais fácil prometer, pois palavras lançadas ao vento não podem ser cobradas. E, convenhamos, o brasileiro tem memória curta. Não? Então me responda: Quem você votou em Senador, Deputado Estadual e Federal nas eleições de 2006? Se você respondeu esta pergunta, parabéns e exerça sua cidadania cobrando e fiscalizando seus eleitos. Se você não respondeu... Está vendo como você tem memória curta...!

Ao votar em alguém você está dando-lhe o poder para, em seu nome, representá-lo na execução ou elaboração das leis, bem como, de agir e deliberar sobre os negócios públicos, ou seja, você está assinando um cheque em branco e colocando nas mãos de alguém que você, supostamente, confia os destinos de sua cidade.

Aquele que exerce o poder busca de alguma forma a fama. Estando exposto na mídia, iluminado pelos holofotes da vaidade concede entrevistas, faz pose para fotos em jornais e revistas, aparece na televisão, fala em emissoras de rádio, enfim, com tudo isso seu ego é massageado e por muitas vezes esse “reconhecimento público” deixa-o cego, arrogante e o faz esquecer que esse momento que vive é efêmero. Suas atitudes o tornam contraditório e o expõe ao ridículo.

Diante de um deslumbramento, se torna obcecado pela sua própria incoerência. Incoerência em administrar ou legislar para os “parceiros” e não para o povo. Incoerência em não admitir seus erros e sua falta de preparo para o exercício do cargo público. Incoerência em não buscar pessoas preparadas para dar suporte ao seu trabalho. Incoerência em transferir suas atribuições a uma parte da imprensa falada e escrita que se auto-intitula quarto poder. E há, também, a incoerência de quem vende seu voto por migalhas. Ou seja, diante do axioma quer governar ou legislar não admitindo os teoremas. Para ser mais claro, age apenas por impulso e a qualquer custo sem uma análise criteriosa da viabilidade técnica de tal ação, pois, não há ninguém para fiscalizá-lo e, na próxima eleição, tudo acontecerá da mesma forma.

Então, em minha opinião, ao lado de um político há de tudo, principalmente bajuladores de plantão e, muitas vezes, faltam bom senso e planejamento nas suas ações.

domingo, 8 de março de 2009

Mulher: MÃE

Luz da vida,
Na multidão desconhecida,
No meu mundo é a preferida.
A Deus, só tenho a agradecer
Por você me ensinar a crescer.

Em cada sol nascente
No seu sorriso contente
Aprendi a ser gente
Com você sempre por perto
Segui o caminho certo.

Esse é seu dia,
Momento de alegria,
Amor e harmonia.
Receba meu abraço
Elo do nosso laço.

Bela natureza,
Natural beleza,
Amorosa criatura,
Fonte de candura,
Comigo caminha,
Mulher tu és minha
Mãe e Rainha!

Uma homenagem a melhor Mulher do Mundo: MINHA MÃE!
Felicidade em todos os dias da sua vida!
Feliz Dia Internacional da Mulher.

Poesia: Alessandre Humberto de Campos
Em 08/03/2009

terça-feira, 3 de março de 2009

Crescimento x Desenvolvimento

Sempre que se "comparam" as cidades o ponto principal é analisar "como elas cresceram".

O crescimento é baseado em números, ou seja, número de habitantes, número de indústrias, número de universidades, número de hospitais, número de vereadores na Câmara Municipal, enfim, no Brasil um número é o diferencial.

No meu entendimento, o crescimento é uma conseqüência do desenvolvimento. Para se alcançar o desenvolvimento é necessário dotar a cidade de condições para que o ser humano possa viver com qualidade de vida. Como qualidade de vida é subjetivo, ou seja, o mínimo para uma pessoa viver pode ser o máximo para a outra, depende apenas daquilo que a satisfaça num determinado momento.

Desenvolvimento é medido observando indicadores econômicos, sociais, culturais, ambientais, de sustentabilidade e o quanto isso é revertido em prol do ser humano para que ele possa ter uma vida digna.

Crescimento está diretamente ligado a quantidade, por outro lado Desenvolvimento está diretamente ligado a qualidade.

O Brasil, Minas Gerais e o Triângulo Mineiro ainda estão longe de oferecer desenvolvimento a sua população, pois ainda é mais forte o sentimento de crescimento a qualquer custo, um exemplo é o PAC - Plano de Aceleração do Crescimento. Nunca irão criar o PAD - Plano de Aceleração do Desenvolvimento, pois o ser humano acostumou a receber o cartão magnético intitulado "Bolsa Família" e ter o mínimo para sobreviver e não busca o máximo para viver dignamente.

O planejamento é uma das principais ferramentas para delinear o desenvolvimento de uma cidade. O Planejamento Físico-Territorial, uma atribuição de ARQUITETOS E URBANISTAS, é formado por um conjunto de atividades que engloba:

  1. Planos de Intervenção no Espaço Urbano fundamentados nos Sistemas de Infra-estrutura, Saneamento Básico, Sistema Viário, Tráfego e Trânsito Urbano e Rural;
  2. Planos de Intervenção no Espaço Metropolitano fundamentados nos Sistemas de Infra-estrutura, Saneamento Básico, Sistema Viário, tráfego e Trânsito Urbano e Rural;
  3. Planos de Intervenção no Espaço Regional fundamentados nos Sistemas de Infra-estrutura, Saneamento Básico, Sistema Viário, Tráfego e Trânsito Urbano e Rural;
  4. Sinalização;
  5. Acessibilidade;
  6. Inventário Urbano e Regional;
  7. Parcelamento do Solo: Loteamento, Desmembramento, Remembramento e Arruamento;
  8. Gestão Territorial;
  9. Planejamento Urbano;
  10. Plano Diretor;
  11. Traçado de Cidades;
  12. Cadastro Técnico;
  13. Assentamentos Humanos;
  14. Requalificação de Áreas Urbanas;
  15. Requalificação de Áreas Regionais;
  16. Avaliação Pós-Ocupação; e
  17. Desenho Urbano.

Os valores estão invertidos. E isso pode causar situações irreversíveis no futuro. A responsabilidade do administrador público é grande quando se omite ou quando coloca pessoas sem preparo para exercer funções incompatíveis com sua formação.

Infelizmente cidades do porte de Araguari, mesmo tendo uma secretaria municipal de planejamento com funcionários com atribuições ou competência para exercer as atividades listadas acima, conforme rege a Resolução 1010/2005 do CONFEA, , realizam essas atividades com pessoas sem o mínimo preparo técnico, inclusive de outras secretarias, de forma aleatória e baseadas em achismos. Parafraseando Boris Casoy: "Isso é uma vergonha".

Nesse sentido, intervenções erradas podem gerar conflitos e ceifar vidas. Ai eu pergunto, quem será o responsável por isso? O prefeito? O Secretário? A cidade? Não, a SOCIEDADE, por aceitar promessas a troca de migalhas para beneficiar um ou outro, quando devemos olhar de um ângulo mais amplo, de forma que as intervenções na cidade atendam a coletividade.

Sendo assim, é mister a criação do Conselho da Cidade, um órgão deliberativo, propositivo e consultivo que irá articular políticas de desenvolvimento urbano, social, ambiental e rural, bem como, fiscalizar ações que tenham cunho apenas político-partidário.


Artigo publicado no Jornal Gazeta do Triângulo, em 06/03/09, ed. n° 7731. OPINIÃO. pg.2.

Comentários

+ VISTAS nos 7 dias