O QUE HÁ DO LADO DOS POLÍTICOS?

A política? Os interesses? O poder? A fama? A Incoerência? Vamos observar estes itens e refletir um pouco sobre o tema.

A política é a “arte de bem governar um povo por meio de um conjunto de objetivos que enformam determinado programa de ação governamental e condicionam a sua execução”, conforme afirma Aurélio em seu Dicionário.

Quando o cidadão pela militância partidária busca o seu voto para poder exercer esta arte de bem governar (poder executivo) ou bem legislar (poder legislativo) deveria ter um plano de ação, por muitos chamados de plano de governo. Percebe-se ao longo dos anos que isso não existe, pois para chegar ao posto disputado pelo voto, basta prometer e depois “bater com os ombros”.

O plano de governo não funciona, pois os interesses partidários e dos “parceiros” falam mais alto. O cidadão que disputa um cargo político, pode até ter boas intenções, mas se ele não se adaptar ao meio, será jogado as traças e sua reputação será colocada a prova. Então, lhe faço a seguinte pergunta: quem, na prática, governa ou legisla para sua cidade?

Deveria ser quem você escolheu por meio do seu voto, porém, os interesses de alguns é que ditam as diretrizes governamentais, aquelas que deveriam estar no plano de governo e que não fora escrito devido às ingerências postuladas no decorrer da campanha e valerá para o mandato. Há interesses infinitos que não permitem a confecção de um plano de governo, pois no decorrer da legislatura tudo cairia por terra. É mais fácil prometer, pois palavras lançadas ao vento não podem ser cobradas. E, convenhamos, o brasileiro tem memória curta. Não? Então me responda: Quem você votou em Senador, Deputado Estadual e Federal nas eleições de 2006? Se você respondeu esta pergunta, parabéns e exerça sua cidadania cobrando e fiscalizando seus eleitos. Se você não respondeu... Está vendo como você tem memória curta...!

Ao votar em alguém você está dando-lhe o poder para, em seu nome, representá-lo na execução ou elaboração das leis, bem como, de agir e deliberar sobre os negócios públicos, ou seja, você está assinando um cheque em branco e colocando nas mãos de alguém que você, supostamente, confia os destinos de sua cidade.

Aquele que exerce o poder busca de alguma forma a fama. Estando exposto na mídia, iluminado pelos holofotes da vaidade concede entrevistas, faz pose para fotos em jornais e revistas, aparece na televisão, fala em emissoras de rádio, enfim, com tudo isso seu ego é massageado e por muitas vezes esse “reconhecimento público” deixa-o cego, arrogante e o faz esquecer que esse momento que vive é efêmero. Suas atitudes o tornam contraditório e o expõe ao ridículo.

Diante de um deslumbramento, se torna obcecado pela sua própria incoerência. Incoerência em administrar ou legislar para os “parceiros” e não para o povo. Incoerência em não admitir seus erros e sua falta de preparo para o exercício do cargo público. Incoerência em não buscar pessoas preparadas para dar suporte ao seu trabalho. Incoerência em transferir suas atribuições a uma parte da imprensa falada e escrita que se auto-intitula quarto poder. E há, também, a incoerência de quem vende seu voto por migalhas. Ou seja, diante do axioma quer governar ou legislar não admitindo os teoremas. Para ser mais claro, age apenas por impulso e a qualquer custo sem uma análise criteriosa da viabilidade técnica de tal ação, pois, não há ninguém para fiscalizá-lo e, na próxima eleição, tudo acontecerá da mesma forma.

Então, em minha opinião, ao lado de um político há de tudo, principalmente bajuladores de plantão e, muitas vezes, faltam bom senso e planejamento nas suas ações.

Comentários

  1. Pois é. Suas palavras são claras, cristalinas e refletem a mais pura verdade dos fatos. E os cidadãos supostamente mais esclarecidos, fazem o que? Nada.
    Assim, uns não fazem nada porque desconhecem a realidade, outros porque se acomodam, alegando ter mais o que fazer do que se preocupar com essa coisa suja que é a política....e assim caminha a humanidade (não só o Patropi)
    Uma das únicas diferenças entre os políticos corruptos daqui e do Japão, por exemplo, é que lá eles se matam de vergonha quando são apanhados. Se isso visse a ocorrer por aqui, quantas cadeiras ficariam ocupadas?

    ResponderExcluir
  2. Pois é, caro Alessandre, fui a uma reunião da Câmara local e resolvi postar os acontecimentos em meu desconhecido Blog: www.palavrasemendadas.blogspot.com e não é que está sendo um sucesso? Na segunda reunião, claro que não foi só pelo meu Blog, o anfiteatro lotou. A postura dos parlamentares, com a presença do povo, vai tomar novos rumos. Temos que vigiá-los de perto...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Comentários Moderados.
Só serão publicados após aprovação do editor do blog.
Não serão publicados comentários de Anônimos, fora do contexto da postagem ou que utilizam de linguagem inadequada.

Postagens mais visitadas deste blog

Patrimônio Cultural Imaterial e Material

As vantagens do calçamento de pedras

Crescimento x Desenvolvimento