Pular para o conteúdo principal

Minha casa, minha vida

Há um ditado popular muito conhecido que diz: “Quem CASA, quer CASA”. Mas, nem sempre o ditado é exercido por todos. A grande maioria das pessoas não possui moradias por diversos fatores. Para muitos, ainda, sua casa é a rua, seu teto é o céu e sua dignidade é um litro de “pinga” para se aquecer nas noites frias. Como se sentir digno quando a sociedade não respeita o ser humano?

Quando se fala em habitação está se falando em saúde pública, ou seja, a casa é o porto seguro, é a tranqüilidade, o conforto, a proteção de quem a habita. A casa representa o seu lugar, a sua identidade, a sua referência e a sua vida.

A busca pelo seu espaço e manutenção da sua vida é constante e gradativa para o ser humano que foi se adaptando e construindo meios para vencer certas barreiras. Foi desenvolvendo objetos e soluções para suprir suas necessidades e formar sua família. O sonho de todos é a casa própria. Mas como concretizar este sonho, que para muitos já viraram pesadelo? Uma das formas de se concretizar este é sonho é por meio dos planos habitacionais.

Todos os programas habitacionais são políticos e são lançados em épocas estratégicas para angariar votos. Como a necessidade das pessoas em obter um espaço para se abrigar é muito maior do que a reflexão política sobre os interesses eleitorais ou eleitoreiros, isso fica relegado ao segundo plano. Querendo ou não o político acaba ganhando os pontos extras daqueles que pagaram por um caixotinho chamado casa.

Em Araguari, alguns bairros foram criados por meio de Planos Habitacionais. Um em especial demonstra a total falta de critério e respeito à pessoa humana: o Bairro Paraíso. O único interesse que houve ali foi colocar o maior número de pessoas no menor espaço possível. O grande idealista daquele bairro, não pensou que as pessoas que ali viveriam deveriam ter o direito ao acesso as suas próprias casas. Sem falar no conforto interno dessas casas.

Quem mora lá sabe a dificuldade para se chegar em casa de carro, pois, me parece que o bairro foi feito apenas para que as pessoas pudessem ter motos ou bicicletas. As ruas são estreitas e não comportam nem um caminhão de lixo para coleta dos resíduos residenciais. Fico pensando como é feita a entrega de um supermercado, ou de uma loja de eletrodomésticos, ou pensaram que as pessoas que ali iriam morar jamais comprariam um sofá novo?

Na verdade os moradores do bairro Paraíso, podem sim comprar um sofá novo e muito mais coisas, pois são trabalhadores dignos, mas será que a casa comporta? Ai sempre fica a dúvida: onde colocar meu sofá, devido ao fato da dimensão dos ambientes não condizerem com os tamanhos comerciais dos móveis.

Toda casa é popular, pois é habitada pelo povo. O mesmo povo que é conclamado a votar, ou seja, neste momento todos são iguais e possuem o mesmo valor. Mas, após o sufrágio, a coisa muda. O menos abastado volta a ser gente comum, sem expressão e se quiser se contenta com as migalhas que lhe sobra. Enquanto isso surge outra dúvida: quem serão os próximos a embarcarem para Nova Iorque, Japão, Milão com o dinheiro público por meio das passagens aéreas dos deputados e senadores? Para alguns o MUITO, para a maioria a SOBRA!

Enquanto os eleitos gastam milhões para bancarem suas vaidades, o povo (gente comum) que necessita de uma moradia digna faz fila para se cadastrar e poder ser escolhido – sabe-se lá por quem - para comprar uma caixinha coberta com telhas de barro para se proteger, pelo menos do sol ou da chuva. Os idealizadores destes planos não importam onde serão erguidas estas casas, mas que sejam de preferência nas periferias das cidades, pois o lote é mais barato e ajuda a cidade a crescer. Só que eles esquecem que isso aumenta o custo social da propriedade.

O Programa Minha Casa, Minha Vida não é diferente de nenhum outro plano habitacional e repetirá os mesmos erros do passado: construir ilusões chamadas de “casas” e vender para o povo.

Comentários

  1. Esse Programa de Habitação é mais um conto da carochinha. Nada foi desburocratizado e o público alvo encontra-se apenas nas grandes cidades, tipo Uberlândia acima. Eu acreditei, procurei e, mais uma vez, me decepcionei.

    ResponderExcluir
  2. Que tristeza. Passam os governos, mudam os partidos e as coisas continuam iguais, como diz a expressão inglesa: "the more things change, the more they remain the same" (quanto mais as coisas mudam, mais ficam do mesmo jeito). E lá estão de volta em Brasília o Sir Ney, o Collorido e seus asseclas, poderosos novamente, rindo de todos nós..."ad aeternum"

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Comentários Moderados.
Só serão publicados após aprovação do editor do blog.
Não serão publicados comentários de Anônimos, fora do contexto da postagem ou que utilizam de linguagem inadequada.

Postagens mais visitadas deste blog

Patrimônio Cultural Imaterial e Material

A Unesco define como Patrimônio Cultural Imaterial "as práticas, representações, expressões, conhecimentos e técnicas - junto com os instrumentos, objetos, artefatos e lugares culturais que lhes são associados - que as comunidades, os grupos e, em alguns casos, os indivíduos reconhecem como parte integrante de seu patrimônio cultural."
O Patrimônio Imaterial é transmitido de geração em geração e constantemente recriado pelas comunidades e grupos em função de seu ambiente, de sua interação com a natureza e de sua história, gerando um sentimento de identidade e continuidade, contribuindo assim para promover o respeito à diversidade cultural e à criatividade humana.

O Patrimônio Material com base em legislações específicas é composto por um conjunto de bens culturais classificados segundo sua natureza nos quatro Livros do Tombo: arqueológico, paisagístico e etnográfico; histórico; belas artes; e das artes aplicadas. Eles estão divididos em bens imóveis como os núcleos urbanos, sí…

As vantagens do calçamento de pedras

A compilação do texto abaixo reflete exatamente o meu pensamento pessoal e técnico em relação a pavimentação das inúmeras ruas de pedras da cidade de Araguari.

Tipos de Pavimentos de Ruas, Pátios e Pistas de Rolamento

O uso de pedras para pavimentar os caminhos do homem remontam aos tempos históricos. Era usado desde os gregos, os egípcios e os chineses. Por falta de tecnologia as primeiras vias eram pavimentadas com pedaços de pedra de todos os tamanhos. Com o domínio da arte de forjar ferramentas, o homem passou a cortar alguns tipos de pedras com maior simetria, que puderam ser utilizadas para diversos fins.
Usando mármore e granito o homem agora podia construir templos, igrejas, castelos e outras edificações. As ruas das cidades recebiam pavimentação a partir do corte rústico do granito, basalto, arenito e outras pedras menos rígidas.
Existem vários exemplos de estradas, ruas, praças e pátios construídas há milênios com estes tipos de pavimento e que ainda hoje servem a população, de …

Crescimento x Desenvolvimento

Sempre que se "comparam" as cidades o ponto principal é analisar "como elas cresceram".

O crescimento é baseado em números, ou seja, número de habitantes, número de indústrias, número de universidades, número de hospitais, número de vereadores na Câmara Municipal, enfim, no Brasil um número é o diferencial.

No meu entendimento, o crescimento é uma conseqüência do desenvolvimento. Para se alcançar o desenvolvimento é necessário dotar a cidade de condições para que o ser humano possa viver com qualidade de vida. Como qualidade de vida é subjetivo, ou seja, o mínimo para uma pessoa viver pode ser o máximo para a outra, depende apenas daquilo que a satisfaça num determinado momento.

Desenvolvimento é medido observando indicadores econômicos, sociais, culturais, ambientais, de sustentabilidade e o quanto isso é revertido em prol do ser humano para que ele possa ter uma vida digna.

Crescimento está diretamente ligado a quantidade, por outro lado Desenvolvimento está diretame…

Planejamento e Gestão Urbana II

1 - Introdução

O crescimento das cidades, principalmente o crescimento desordenado, leva-nos a pensar maneiras de contribuir com as cidades para que elas possam ter condições de oferecer o mínimo de qualidade de vida a geração presente e as futuras.
O processo de pensar a cidade recebe o nome de planejamento urbano. Planejar é escolher um conjunto de ações consideradas as mais adequadas para conduzir a situação atual na direção dos objetivos desejados. A execução destes objetivos fica a cargo da gestão pública. Gestão e planejamento são complementares, assim, planejamento é pensar em ações para o amanhã e gestão é o próprio fazer imediato daquilo que o planejamento delineou, na dimensão do tempo presente e dos recursos disponíveis.
2 - Planejamento e Gestão

Muitas vezes se diz que tal governo não planeja a sua cidade. O que ocorre é que atualmente os governos ainda estão presos a modelos de gestão pública onde o mais importante é o orçamento público, ou seja, define-se o quanto cada seto…

O Patrimônio Cultural - Quem é o Jacu?

Muitos dizem serem cultos e pertencerem a uma sociedade culta. Muitos se dizem entendidos de vários assuntos e chegam ao cúmulo de chamar outras pessoas de “Jacu” por discordar de suas opiniões ou costumes ou modo de vida. Que é “Jacu”? Que é cultura? Cultura se aplica somente aos Homens? Como reconhecer um Homem culto? Você se considera uma pessoa culta? Será que ser culto é apenas ler bons livros, falar e escrever em vários idiomas, viajar aos mais variados países, ir ao teatro, ser ator, autor, jornalista, radialista, apresentador de TV, professor, ter cursado um curso superior, ouvir bossa nova? Mas, vocês verão que até pra ser e chamar o outro de “Jacu” precisa ter cultura.

Para entendermos cultura precisamos compreender os fatores que contribuem para a existência de uma sociedade. Cultura está vinculado às sociedades. Sociedade pressupõe seres que compartilham a companhia de outros, tenham um idioma comum, leis ou regras de conduta, vivem em colaboração mútua em um mesmo meio ge…