Minha casa, minha vida

Há um ditado popular muito conhecido que diz: “Quem CASA, quer CASA”. Mas, nem sempre o ditado é exercido por todos. A grande maioria das pessoas não possui moradias por diversos fatores. Para muitos, ainda, sua casa é a rua, seu teto é o céu e sua dignidade é um litro de “pinga” para se aquecer nas noites frias. Como se sentir digno quando a sociedade não respeita o ser humano?

Quando se fala em habitação está se falando em saúde pública, ou seja, a casa é o porto seguro, é a tranqüilidade, o conforto, a proteção de quem a habita. A casa representa o seu lugar, a sua identidade, a sua referência e a sua vida.

A busca pelo seu espaço e manutenção da sua vida é constante e gradativa para o ser humano que foi se adaptando e construindo meios para vencer certas barreiras. Foi desenvolvendo objetos e soluções para suprir suas necessidades e formar sua família. O sonho de todos é a casa própria. Mas como concretizar este sonho, que para muitos já viraram pesadelo? Uma das formas de se concretizar este é sonho é por meio dos planos habitacionais.

Todos os programas habitacionais são políticos e são lançados em épocas estratégicas para angariar votos. Como a necessidade das pessoas em obter um espaço para se abrigar é muito maior do que a reflexão política sobre os interesses eleitorais ou eleitoreiros, isso fica relegado ao segundo plano. Querendo ou não o político acaba ganhando os pontos extras daqueles que pagaram por um caixotinho chamado casa.

Em Araguari, alguns bairros foram criados por meio de Planos Habitacionais. Um em especial demonstra a total falta de critério e respeito à pessoa humana: o Bairro Paraíso. O único interesse que houve ali foi colocar o maior número de pessoas no menor espaço possível. O grande idealista daquele bairro, não pensou que as pessoas que ali viveriam deveriam ter o direito ao acesso as suas próprias casas. Sem falar no conforto interno dessas casas.

Quem mora lá sabe a dificuldade para se chegar em casa de carro, pois, me parece que o bairro foi feito apenas para que as pessoas pudessem ter motos ou bicicletas. As ruas são estreitas e não comportam nem um caminhão de lixo para coleta dos resíduos residenciais. Fico pensando como é feita a entrega de um supermercado, ou de uma loja de eletrodomésticos, ou pensaram que as pessoas que ali iriam morar jamais comprariam um sofá novo?

Na verdade os moradores do bairro Paraíso, podem sim comprar um sofá novo e muito mais coisas, pois são trabalhadores dignos, mas será que a casa comporta? Ai sempre fica a dúvida: onde colocar meu sofá, devido ao fato da dimensão dos ambientes não condizerem com os tamanhos comerciais dos móveis.

Toda casa é popular, pois é habitada pelo povo. O mesmo povo que é conclamado a votar, ou seja, neste momento todos são iguais e possuem o mesmo valor. Mas, após o sufrágio, a coisa muda. O menos abastado volta a ser gente comum, sem expressão e se quiser se contenta com as migalhas que lhe sobra. Enquanto isso surge outra dúvida: quem serão os próximos a embarcarem para Nova Iorque, Japão, Milão com o dinheiro público por meio das passagens aéreas dos deputados e senadores? Para alguns o MUITO, para a maioria a SOBRA!

Enquanto os eleitos gastam milhões para bancarem suas vaidades, o povo (gente comum) que necessita de uma moradia digna faz fila para se cadastrar e poder ser escolhido – sabe-se lá por quem - para comprar uma caixinha coberta com telhas de barro para se proteger, pelo menos do sol ou da chuva. Os idealizadores destes planos não importam onde serão erguidas estas casas, mas que sejam de preferência nas periferias das cidades, pois o lote é mais barato e ajuda a cidade a crescer. Só que eles esquecem que isso aumenta o custo social da propriedade.

O Programa Minha Casa, Minha Vida não é diferente de nenhum outro plano habitacional e repetirá os mesmos erros do passado: construir ilusões chamadas de “casas” e vender para o povo.

Comentários

  1. Esse Programa de Habitação é mais um conto da carochinha. Nada foi desburocratizado e o público alvo encontra-se apenas nas grandes cidades, tipo Uberlândia acima. Eu acreditei, procurei e, mais uma vez, me decepcionei.

    ResponderExcluir
  2. Que tristeza. Passam os governos, mudam os partidos e as coisas continuam iguais, como diz a expressão inglesa: "the more things change, the more they remain the same" (quanto mais as coisas mudam, mais ficam do mesmo jeito). E lá estão de volta em Brasília o Sir Ney, o Collorido e seus asseclas, poderosos novamente, rindo de todos nós..."ad aeternum"

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Comentários Moderados.
Só serão publicados após aprovação do editor do blog.
Não serão publicados comentários de Anônimos, fora do contexto da postagem ou que utilizam de linguagem inadequada.

Postagens mais visitadas deste blog

Patrimônio Cultural Imaterial e Material

As vantagens do calçamento de pedras

Crescimento x Desenvolvimento