Pular para o conteúdo principal

Araguari, 123 anos. (parte 2)


1929 – 1968

O município descentraliza o comércio e as residências do centro de formação da cidade e inicia um período de destaque também para as primeiras indústrias.
Vivenciando o período ditatorial imposto ao Brasil e convivendo com as conseqüências da 2º Guerra Mundial em solos europeus, Araguari consegue empreender melhoramentos na sua estrutura urbana com a macadamização, retificação do alinhamento e remodelação de praças e diversas vias principais. O crescente e gradual povoamento da cidade propicia a criação dos primeiros bairros como a Vila Goiás e o Bairro Independência.
É inaugurado o Cine Teatro Rex, construído na década de 30, na Praça Manoel Bonito, pelo grande empreendedor o Sr. Milton Lemos da Silva. Centro de grandes atrações, pois além de cinema, era palco de shows artísticos. Na década de 50, ele construiu o Cine Teatro Lux, na Rua Marciano Santos, esquina com a Pe. Lafaiete. Prédio Tombado pelo Patrimônio Histórico e Cultural da cidade. Atraiu freqüentadores diversos. Proporcionou à classe média, diversão e lazer. Por fim, construiu na Praça Getúlio Vargas, o Cine Olido, na década de 60. Foi sócio e fundador da CTA – Cia. Telefônica Araguarina, ligando Araguari ao mundo. As instalações eram na Rua Rio Branco, ao lado da agência dos Correios.
Em 1935, um destemido e arrojado araguarino, empresário Joaquim Alves Pereira, o inesquecível “Joaquim Aníbal”, que tem seu nome perpetuado em nossa cidade, fundou a A.C.I.A. (Associação Comercial e Industrial de Araguari), em um ato de coragem e determinação, ao sentir que a cidade já comportava uma entidade de classe que viesse a unir os empresários, em busca da grandeza da terra que ele via carente de união para seu desenvolvimento.
Em 1937 teve inicio a saga dos “Irmãos Naves”. O cenário: Araguari. O palco: A Cadeia Pública. Os protagonistas: Joaquim Naves Rosa e Sebastião José Naves, filhos de Ana Rosa Naves. Sebastião tinha 32 anos, era casado e tinha dois filhos. Joaquim tinha 27 anos, era casado e tinha uma filha. O defensor: o advogado João Alamy Filho. Um fato marcante em nossa cidade que foi retratado em livro, filme e programa de televisão como sendo o maior erro judiciário de Araguari.
Também em 1937, no dia 7 de março, o empreendedor e progressista Bolívar Bittencourt, funda o Jornal Gazeta do Triangulo. Na década de 1960 o jornal passa a ser dirigido por Afif Rade, que o transfere a Darli Amaral no ano de 2004.

Cadeia Pública. Foto de 1935
Hoje Casa da Cultura. Foto de 2007

A Rádio Araguari é fundada em 12 de fevereiro de 1939. No começo era uma emissora estritamente local. Naquele tempo, as aeronaves se orientavam pelos sinais de rádio-emissoras. Como o governo federal precisava orientar o tráfego aéreo nacional doou um transmissor de 5000 watts a emissora, uma preciosidade para a época. A partir de então a história da emissora mudou. Passou a ter uma área de cobertura quase que nacional. Grandes nomes passaram pelos seus microfones. Um dos exemplos mais citados é do locutor Jonas Garret, que acabou se transferindo para a BBC de Londres, onde trabalhou na programação brasileira. Outro expoente do rádio araguarino, o Sr. Jehovah Bittencourt (02/10/1934), que também atuou na rádio Tupi, após ter iniciado sua carreira na rádio Araguari em 1953.
Oficialmente fundado em 20 de abril de 1942, o Aeroclube de Araguari tem origem no ano de 1938. A idéia de fundar o Aeroclube partiu do Sr. Oswaldo Marra (sargento da reserva da Aviação Militar), que junto com os Srs. Domingos de Freitas e Antonio Cruz Póvoa, fundaram o Aero Club de Araguary. Para instrução dos alunos, foi adquirido um avião Porterfield. O início da formação de pilotos em Araguari se deve ao piloto Antonio Marincek, instrutor das primeiras turmas brevetadas na cidade.  Antonio Marincek visitou Araguari em Julho de 1937 e obteve apoio da prefeitura para montar sua escola de pilotagem, cuja frota era constituída de 2 aeronaves, sendo um Taylorcraft F-2 de prefixo PP-TBK, um Fairchild F-24 de prefixo PP-TAY. Posteriormente, foi incorporada à frota da escola um avião Porterfield CP-50 de prefixo PP-GAK, doado pelo presidente Getúlio Vargas.  Em Novembro de 1939 foi feita a afiliação do Aero Club de Araguary ao Aero Clube do Brasil. Em 12 de Janeiro de 1940  foi brevetada a primeira turma de pilotos.
Planta Geral da cidade. Levantamento feito em 1944

Vista aérea da cidade em 1944


Vista aérea da cidade em 1950

Araguari adentra aos anos de 1950 com uma população estimada em 43.305 habitantes, sendo 25.661 na zona urbana e 17.644 na zona rural. Nesta época surgiram na cidade cerca de treze (13) bairros, sendo alguns localizados próximos a área central, que também apresenta uma expansão nesse período.  A cidade penetra os anos de 1950 com variáveis econômicas visivelmente detectadas no cotidiano. Novas indústrias são instaladas, como a Indústria Têxtil São Judas, a Fábrica de Bolachas e Macarrão Trineiro, Fábrica de Banha Avante e a Fábrica de Conservas e Gordura Alteza Ltda, Guida & Boaventura Ltda, Charqueada Fulgor Ltda, Grandes Fábricas Eugênio Nasciutti e Curtume Sica. O setor comercial diversifica-se, revitalizando o comércio varejista.
As residências edificadas nesse período, por uma arquitetura espontânea, apresentavam traçados menos trabalhados e retilíneos, a decoração de interiores era buscada a partir de modelos em revistas de época como A Vida Doméstica, O Cruzeiro e Cláudia. O fotógrafo radicado em Araguari, Geraldo Vieira, era solicitado a clicar fachadas e interiores minuciosamente planejados por seus proprietários.
            É construído o Aeroporto Municipal que fazia a conexão aérea entre Araguari com os grandes centros do país. Contava com grande demanda de tráfego operado pelas empresas Aerovias Brasil, Real, Nacional, Cruzeiro do Sul, Vasp e OMTA.
            Em 1954, a sede da Estrada de Ferro Goiás foi transferida para Goiânia – GO, ficando Araguari com a 2º divisão. Centenas de funcionários da empresa foram transferidos gerando transtorno na economia do município. Inicia-se uma fase de decadência econômica e urbana da cidade. Em 1956 é implantado o Bairro Miranda.
            Em 1955 inaugura-se a Rádio Cacique de Araguari sob a direção de Theodoreto Veloso de Carvalho e Elmiro Barbosa.
            Na década de 1960 a população era de 52.161* habitantes e o desenvolvimento urbano se processou de forma menos significativa, mesmo assim, houve a criação de dez (10) novos bairros, sendo dois deles o Jardim Regina e a Vila Paraíso. Neste período, os trabalhos de estrutura foram vistos em várias das principais vias, sendo construída a sonhada a Av. Brasil atualmente Av. Cel. Teodolino Pereira de Araújo, processando-se a canalização do córrego Brejo Alegre.

Construção da Avenida Teodolino P. de Araujo – Foto de 1957

O prédio do Mercado “Municipal”, construído nesta mesma avenida, foi inaugurado no dia 27 de maio de 1962 e contou com a presença de diversas autoridades locais, sendo que a construção e financiamento da importante obra foram feitos pela firma COMIL - Construtora Mineira Ltda., que vendeu os 60 boxes aos comerciantes. 


Vista aérea da cidade em 1950

Vista aérea da cidade em 1960
           
No ano de 1965, o então 2º Batalhão Ferroviário transferiu-se para a cidade de Araguari-MG, vindo da cidade de Rio Negro-PR, com o intuito de construir o trecho ferroviário Uberlândia – Araguari - Pires do Rio e a construção de trabalhos complementares da infra-estrutura e da superestrutura no trecho ferroviário Pires do Rio - Brasília. Com a sua chegada um novo horizonte se despontava na evolução urbana da cidade com a construção da sede do Batalhão Mauá, das casas que abrigariam funcionários civis e militares e de todo complexo administrativo, logístico e de suporte as suas atividades.


Primeiro desfile do Batalhão Mauá em Araguari em 1965 comemorando sua instalação na cidade
Hoje a Sede do 11°Btl Eng. Const.
(Btl Mauá)

No final da década de 1960 e início de 1970, foi construída a BR – 050, que liga a cidade de Araguari à Brasília, acontecimento que dividiu em duas partes o Distrito de Florestina, ficando o povoado à direita da rodovia sentido Araguari – Brasília.

Próximo post:  1969 –2010

Fonte:
Arquivo Histórico e Museu “Doutor Calil Porto” (Fotos e Dados Históricos)
Sitio do Batalhão Mauá - http://www.btlmaua.com.br/index.html
Blog Ponto de Vista - http://peron-erbetta.blogspot.com
Jornal Gazeta do Triângulo
Portal Mackenzie: http://www.mackenzie.br/10198.html. Acesso em 17/08/2011
Jornal Correio de Uberlândia

Comentários

  1. Parabéns pelo histórico. Fico super orgulhoso em ver algumas fotos do vô GV. É bom saber, que de alguma forma, contribuímos com a história da nossa querida Araguari. Não vamos parar. A turma daqui clicando e a daí escrevendo, planejando, idealizando, .... Abraços... Henrique Vieira

    ResponderExcluir
  2. parabens minha querida araguari por sua história e pelo seu presente promissor que Deus ti proteja e a todos os meus contemrrãneos
    abraços a todos

    ResponderExcluir
  3. Parabéns Ale. Como sempre voce esta colaborando pela melhoria e reconhecimento da nossa linda cidade.
    LANA VIEIRA

    ResponderExcluir
  4. procuro ex alunos do colegio regina pacis estudei la ate o periodo de 1952

    ResponderExcluir
  5. Procuro parentes de Carolina Pires, já falecida

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Comentários Moderados.
Só serão publicados após aprovação do editor do blog.
Não serão publicados comentários de Anônimos, fora do contexto da postagem ou que utilizam de linguagem inadequada.

Postagens mais visitadas deste blog

Patrimônio Cultural Imaterial e Material

A Unesco define como Patrimônio Cultural Imaterial "as práticas, representações, expressões, conhecimentos e técnicas - junto com os instrumentos, objetos, artefatos e lugares culturais que lhes são associados - que as comunidades, os grupos e, em alguns casos, os indivíduos reconhecem como parte integrante de seu patrimônio cultural."
O Patrimônio Imaterial é transmitido de geração em geração e constantemente recriado pelas comunidades e grupos em função de seu ambiente, de sua interação com a natureza e de sua história, gerando um sentimento de identidade e continuidade, contribuindo assim para promover o respeito à diversidade cultural e à criatividade humana.

O Patrimônio Material com base em legislações específicas é composto por um conjunto de bens culturais classificados segundo sua natureza nos quatro Livros do Tombo: arqueológico, paisagístico e etnográfico; histórico; belas artes; e das artes aplicadas. Eles estão divididos em bens imóveis como os núcleos urbanos, sí…

As vantagens do calçamento de pedras

A compilação do texto abaixo reflete exatamente o meu pensamento pessoal e técnico em relação a pavimentação das inúmeras ruas de pedras da cidade de Araguari.

Tipos de Pavimentos de Ruas, Pátios e Pistas de Rolamento

O uso de pedras para pavimentar os caminhos do homem remontam aos tempos históricos. Era usado desde os gregos, os egípcios e os chineses. Por falta de tecnologia as primeiras vias eram pavimentadas com pedaços de pedra de todos os tamanhos. Com o domínio da arte de forjar ferramentas, o homem passou a cortar alguns tipos de pedras com maior simetria, que puderam ser utilizadas para diversos fins.
Usando mármore e granito o homem agora podia construir templos, igrejas, castelos e outras edificações. As ruas das cidades recebiam pavimentação a partir do corte rústico do granito, basalto, arenito e outras pedras menos rígidas.
Existem vários exemplos de estradas, ruas, praças e pátios construídas há milênios com estes tipos de pavimento e que ainda hoje servem a população, de …

Crescimento x Desenvolvimento

Sempre que se "comparam" as cidades o ponto principal é analisar "como elas cresceram".

O crescimento é baseado em números, ou seja, número de habitantes, número de indústrias, número de universidades, número de hospitais, número de vereadores na Câmara Municipal, enfim, no Brasil um número é o diferencial.

No meu entendimento, o crescimento é uma conseqüência do desenvolvimento. Para se alcançar o desenvolvimento é necessário dotar a cidade de condições para que o ser humano possa viver com qualidade de vida. Como qualidade de vida é subjetivo, ou seja, o mínimo para uma pessoa viver pode ser o máximo para a outra, depende apenas daquilo que a satisfaça num determinado momento.

Desenvolvimento é medido observando indicadores econômicos, sociais, culturais, ambientais, de sustentabilidade e o quanto isso é revertido em prol do ser humano para que ele possa ter uma vida digna.

Crescimento está diretamente ligado a quantidade, por outro lado Desenvolvimento está diretame…

Planejamento e Gestão Urbana II

1 - Introdução

O crescimento das cidades, principalmente o crescimento desordenado, leva-nos a pensar maneiras de contribuir com as cidades para que elas possam ter condições de oferecer o mínimo de qualidade de vida a geração presente e as futuras.
O processo de pensar a cidade recebe o nome de planejamento urbano. Planejar é escolher um conjunto de ações consideradas as mais adequadas para conduzir a situação atual na direção dos objetivos desejados. A execução destes objetivos fica a cargo da gestão pública. Gestão e planejamento são complementares, assim, planejamento é pensar em ações para o amanhã e gestão é o próprio fazer imediato daquilo que o planejamento delineou, na dimensão do tempo presente e dos recursos disponíveis.
2 - Planejamento e Gestão

Muitas vezes se diz que tal governo não planeja a sua cidade. O que ocorre é que atualmente os governos ainda estão presos a modelos de gestão pública onde o mais importante é o orçamento público, ou seja, define-se o quanto cada seto…

O Patrimônio Cultural - Quem é o Jacu?

Muitos dizem serem cultos e pertencerem a uma sociedade culta. Muitos se dizem entendidos de vários assuntos e chegam ao cúmulo de chamar outras pessoas de “Jacu” por discordar de suas opiniões ou costumes ou modo de vida. Que é “Jacu”? Que é cultura? Cultura se aplica somente aos Homens? Como reconhecer um Homem culto? Você se considera uma pessoa culta? Será que ser culto é apenas ler bons livros, falar e escrever em vários idiomas, viajar aos mais variados países, ir ao teatro, ser ator, autor, jornalista, radialista, apresentador de TV, professor, ter cursado um curso superior, ouvir bossa nova? Mas, vocês verão que até pra ser e chamar o outro de “Jacu” precisa ter cultura.

Para entendermos cultura precisamos compreender os fatores que contribuem para a existência de uma sociedade. Cultura está vinculado às sociedades. Sociedade pressupõe seres que compartilham a companhia de outros, tenham um idioma comum, leis ou regras de conduta, vivem em colaboração mútua em um mesmo meio ge…