Pesquisar este blog

quinta-feira, 11 de junho de 2009

Pinceladas (CENSURADAS)

HOMENAGEM

O meu reconhecimento da semana vai para os eternos namorados. Àqueles que verdadeiramente amam e se doam plenamente a pessoa amada, tornando o relacionamento de cada dia um aprendizado de compreensão, respeito e harmonia.

POLÍTICA (TEXTO ORIGINAL CENSURADO)

Se todos fossem iguais a você
Vai tua vida
Teu caminho é de paz e amor
A tua vida
É uma linda canção de amor
Abre teus braços e canta a última esperança
A esperança divina de amar em paz
Se todos fossem iguais a você
Que maravilha viver
Uma canção pelo ar
Uma mulher a cantar
Uma cidade a cantar
A sorrir, a cantar, a pedir
A beleza de amar
Como o sol, como a flor, como a luz
Amar sem mentir, nem sofrer
Existiria a verdade
Verdade que ninguém vê
Se todos fossem no mundo iguais a você.

Vinicius de Moraes / Antonio Carlos Jobim / Otto Lara Rezende

ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA (TEXTO ORIGINAL CENSURADO)

“Homem de bem com a vida, a favor da vida. A quem a vida nada se nega a vida. Criador de um lirismo em prosa e verso, falado e cantado, e sempre de exaltação a vida. A canção em Vinicius nasce de um encontro não vem de um conflito. Encontro consigo mesmo, com o outro, com sua cidade. Com o menino livre e feliz que foi, com o tempo da infância. Fonte inesgotável quando tudo era indizívelmente bom. Menino de beira de mar, os carinhos de vento no rosto e as frescas mãos de maré nos seus dedos de água.”

Vinicius de Moraes / Antonio Carlos Jobim / Otto Lara Rezende

TRÂNSITO (TEXTO ORIGINAL CENSURADO)

“Encontro com o próximo, com aquele que se dá a vida. O que não se defende, o que não se fecha, o que não se recusa participar do espetáculo fascinante da grande e da pequena ventura de viver.
Encontro com os amigos, parceiros da vida em comum, amigos da arte em comum. Encontro com a mulher amada, amiga infinitamente amiga. Encontro com a mulher do povo entre moringas e cenouras emolduradas de vassouras.”

Vinicius de Moraes / Antonio Carlos Jobim / Otto Lara Rezende

OBRAS PÚBLICAS (TEXTO ORIGINAL CENSURADO)

“Com o operário em construção, dono de uma nova dimensão, a dimensão da poesia. Encontro de sensibilidade pessoal com o sentimento popular da inspiração e da técnica pessoais com o rítmo e inspiração gerais. Encontro da mulher com o homem, do amor. Das palavras com a música, da poesia com a canção. Poesia de aliança com a vida e canção de aliança com a multidão. Voz pessoal mas compreendendo muitas vozes. Encontro com uma voz com todas as vozes.”

Vinicius de Moraes / Antonio Carlos Jobim / Otto Lara Rezende

PLANEJAMENTO (TEXTO ORIGINAL CENSURADO)

“Poeta do encontro, cantor de vida. Vinicius tomou partido do sentimento contra o ressentimento. Por isso, ele não semeia pedras com aquele que não ama, semeia canções, poesia. Vinicius canta o povo. O povo canta Vinicius.”

Vinicius de Moraes / Antonio Carlos Jobim / Otto Lara Rezende

Eis que tenham a nossa adaptação da letra:

“Arquiteto do encontro, urbanista da vida. Alessandre tomou partido do sentimento contra o ressentimento. Por isso, ele não semeia pedras com aquele que não ama, semeia canções, poesia. Alessandre conta ao povo. O povo conta com Alessandre.”

AUSÊNCIA

“Eu deixarei que morra em mim
o desejo de amar os teus olhos que são doces
Porque nada te poderei dar
senão a mágoa de me veres eternamente exausto
No entanto a tua presença
é qualquer coisa como a luz e a vida
E eu sinto que em meu gesto
existe o teu gesto e em minha voz a tua voz
Não te quero ter porque em meu ser tudo estaria terminado
Quero só que surjas em mim
como a fé nos desesperados
Para que eu possa levar
uma gota de orvalho
nesta terra amaldiçoada
Que ficou sobre a minha carne
como nódoa do passado
Eu deixarei...
tu irás e encostarás a tua face em outra face
Teus dedos enlaçarão outros dedos
e tu desabrocharás para a madrugada.
Mas tu não saberás que quem te colheu fui eu,
porque eu fui o grande íntimo da noite.
Porque eu encostei minha face na face da noite
e ouvi a tua fala amorosa.
Porque meus dedos enlaçaram os dedos da névoa
suspensos no espaço.
E eu trouxe até mim a misteriosa essência do teu abandono desordenado.
Eu ficarei só
como os veleiros nos pontos silenciosos.
Mas eu te possuirei como ninguém
porque poderei partir.
E todas as lamentações do mar,
do vento, do céu, das aves, das estrelas
Serão a tua voz presente,
a tua voz ausente,
a tua voz serenizada.”

Vinicius de Moraes

Um abraço, ótima semana e até UM DIA quando a censura terminar!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários Moderados.
Só serão publicados após aprovação do editor do blog.
Não serão publicados comentários de Anônimos, fora do contexto da postagem ou que utilizam de linguagem inadequada.

Comentários

+ VISTAS nos 7 dias