Pinceladas (CENSURADAS)

HOMENAGEM

O meu reconhecimento da semana vai para os eternos namorados. Àqueles que verdadeiramente amam e se doam plenamente a pessoa amada, tornando o relacionamento de cada dia um aprendizado de compreensão, respeito e harmonia.

POLÍTICA (TEXTO ORIGINAL CENSURADO)

Se todos fossem iguais a você
Vai tua vida
Teu caminho é de paz e amor
A tua vida
É uma linda canção de amor
Abre teus braços e canta a última esperança
A esperança divina de amar em paz
Se todos fossem iguais a você
Que maravilha viver
Uma canção pelo ar
Uma mulher a cantar
Uma cidade a cantar
A sorrir, a cantar, a pedir
A beleza de amar
Como o sol, como a flor, como a luz
Amar sem mentir, nem sofrer
Existiria a verdade
Verdade que ninguém vê
Se todos fossem no mundo iguais a você.

Vinicius de Moraes / Antonio Carlos Jobim / Otto Lara Rezende

ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA (TEXTO ORIGINAL CENSURADO)

“Homem de bem com a vida, a favor da vida. A quem a vida nada se nega a vida. Criador de um lirismo em prosa e verso, falado e cantado, e sempre de exaltação a vida. A canção em Vinicius nasce de um encontro não vem de um conflito. Encontro consigo mesmo, com o outro, com sua cidade. Com o menino livre e feliz que foi, com o tempo da infância. Fonte inesgotável quando tudo era indizívelmente bom. Menino de beira de mar, os carinhos de vento no rosto e as frescas mãos de maré nos seus dedos de água.”

Vinicius de Moraes / Antonio Carlos Jobim / Otto Lara Rezende

TRÂNSITO (TEXTO ORIGINAL CENSURADO)

“Encontro com o próximo, com aquele que se dá a vida. O que não se defende, o que não se fecha, o que não se recusa participar do espetáculo fascinante da grande e da pequena ventura de viver.
Encontro com os amigos, parceiros da vida em comum, amigos da arte em comum. Encontro com a mulher amada, amiga infinitamente amiga. Encontro com a mulher do povo entre moringas e cenouras emolduradas de vassouras.”

Vinicius de Moraes / Antonio Carlos Jobim / Otto Lara Rezende

OBRAS PÚBLICAS (TEXTO ORIGINAL CENSURADO)

“Com o operário em construção, dono de uma nova dimensão, a dimensão da poesia. Encontro de sensibilidade pessoal com o sentimento popular da inspiração e da técnica pessoais com o rítmo e inspiração gerais. Encontro da mulher com o homem, do amor. Das palavras com a música, da poesia com a canção. Poesia de aliança com a vida e canção de aliança com a multidão. Voz pessoal mas compreendendo muitas vozes. Encontro com uma voz com todas as vozes.”

Vinicius de Moraes / Antonio Carlos Jobim / Otto Lara Rezende

PLANEJAMENTO (TEXTO ORIGINAL CENSURADO)

“Poeta do encontro, cantor de vida. Vinicius tomou partido do sentimento contra o ressentimento. Por isso, ele não semeia pedras com aquele que não ama, semeia canções, poesia. Vinicius canta o povo. O povo canta Vinicius.”

Vinicius de Moraes / Antonio Carlos Jobim / Otto Lara Rezende

Eis que tenham a nossa adaptação da letra:

“Arquiteto do encontro, urbanista da vida. Alessandre tomou partido do sentimento contra o ressentimento. Por isso, ele não semeia pedras com aquele que não ama, semeia canções, poesia. Alessandre conta ao povo. O povo conta com Alessandre.”

AUSÊNCIA

“Eu deixarei que morra em mim
o desejo de amar os teus olhos que são doces
Porque nada te poderei dar
senão a mágoa de me veres eternamente exausto
No entanto a tua presença
é qualquer coisa como a luz e a vida
E eu sinto que em meu gesto
existe o teu gesto e em minha voz a tua voz
Não te quero ter porque em meu ser tudo estaria terminado
Quero só que surjas em mim
como a fé nos desesperados
Para que eu possa levar
uma gota de orvalho
nesta terra amaldiçoada
Que ficou sobre a minha carne
como nódoa do passado
Eu deixarei...
tu irás e encostarás a tua face em outra face
Teus dedos enlaçarão outros dedos
e tu desabrocharás para a madrugada.
Mas tu não saberás que quem te colheu fui eu,
porque eu fui o grande íntimo da noite.
Porque eu encostei minha face na face da noite
e ouvi a tua fala amorosa.
Porque meus dedos enlaçaram os dedos da névoa
suspensos no espaço.
E eu trouxe até mim a misteriosa essência do teu abandono desordenado.
Eu ficarei só
como os veleiros nos pontos silenciosos.
Mas eu te possuirei como ninguém
porque poderei partir.
E todas as lamentações do mar,
do vento, do céu, das aves, das estrelas
Serão a tua voz presente,
a tua voz ausente,
a tua voz serenizada.”

Vinicius de Moraes

Um abraço, ótima semana e até UM DIA quando a censura terminar!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Patrimônio Cultural Imaterial e Material

As vantagens do calçamento de pedras

Seu direito de IR e VIR é respeitado?