Pesquisar este blog

domingo, 9 de agosto de 2009

Carta ao meu Pai

Há vinte anos o senhor fez sua passagem para o mundo invisível. Naquela época eu era apenas um garoto, que tinha sonhos e via no senhor a força para seguir o meu caminho. Mesmo que não tenha sido tão presente, aprendi que na vida o melhor de nós está nas nossas ações baseadas na honra e na moral. Esse foi o melhor ensinamento que o senhor me deixou.

A cada dia dos pais nestes 20 anos sinto a sua presença comigo, exatamente nessa hora, na hora do almoço de domingo, momento que o senhor sempre quis a familia reunida. Foram grandes momentos vividos. Lembranças boas estão na memória. A saudade faz parte da nossa vida, pois aqueles que amamos jamais esqueceremos.

Hoje, Pai , quero te dizer o quanto faz falta em minha vida material, mas sei, que na minha vida espiritual és presente e me orienta sempre que necessito da sua força de Pai. Sua ausência me tornou um guerreiro e jamais desisti dos meus objetivos. Estudei, me formei, realizei meu sonho e tantos outros tenho a realizar.

Pai, hoje, após vinte anos que o senhor partiu, as lágrimas rolam, a emoção aflora, a saudade machuca. Mas, a vida continua e sei que neste momento estais aqui do meu lado ouvindo estas palavras.

Pai, saiba que jamais te esqueci e que um dia estaremos juntos novamente. O Senhor fez a viagem antes da hora, mas Deus nos consolou, dando-nos a certeza desse reencontro.

Fique em paz e, em sua homenagem, lhe ofereço essa música. Fique com Deus!

Um grande Abraço!



Pai!
Pode ser que daqui a algum tempo
Haja tempo prá gente ser mais
Muito mais que dois grandes amigos
Pai e filho talvez...

Pai!
Pode ser que daí você sinta
Qualquer coisa entre
Esses vinte ou trinta
Longos anos em busca de paz...

Pai!
Pode crer, eu tô bem
Eu vou indo
Tô tentando, vivendo e pedindo
Com loucura prá você renascer...

Pai!
Eu não faço questão de ser tudo
Só não quero e não vou ficar mudo
Prá falar de amor
Prá você...

Pai!
Senta aqui que o jantar tá na mesa
Fala um pouco tua voz tá tão presa
Nos ensine esse jogo da vida
Onde a vida só paga prá ver...

Pai!
Me perdoa essa insegurança
Que eu não sou mais
Aquela criança
Que um dia morrendo de medo
Nos teus braços você fez segredo
Nos teus passos você foi mais eu...

Pai!
Eu cresci e não houve outro jeito
Quero só recostar no teu peito
Prá pedir prá você ir lá em casa
E brincar de vovô com meu filho
No tapete da sala de estar
Ah! Ah! Ah!...

Pai!
Você foi meu herói meu bandido
Hoje é mais
Muito mais que um amigo
Nem você nem ninguém tá sozinho
Você faz parte desse caminho
Que hoje eu sigo em paz
Pai! Paz!...

Um comentário:

  1. Belíssima homenagem!
    Na verdade, somos a continuação material e espiritual dos nossos pais.
    Sempre digo que devo aos velhinhos as virtudes que tenho (se é que as tenho). Já os defeitos, mesmo advertido para não incorrer em erros, acabei aprendendo na escola do mundo.

    ResponderExcluir

Comentários Moderados.
Só serão publicados após aprovação do editor do blog.
Não serão publicados comentários de Anônimos, fora do contexto da postagem ou que utilizam de linguagem inadequada.

Comentários

+ VISTAS nos 7 dias