A NOSSA ÁGUA DE CADA DIA

Araguari, no estado de Minas Gerais, é uma cidade cujo abastecimento é feito por meio da captação, através de poços artesianos e semi-artesianos, de água subterrânea, mais precisamente do reservatório pertencente ao Aqüífero Bauru do Sistema Aqüífero Guarani.

A cidade está localizada no limite da porção nordeste do Aqüífero Guarani entre os Rios Araguari e Paranaíba e por suas características geológicas apresenta um nível de infiltração maior do que de escoamento superficial, por estes motivos a cidade foi escolhida para ser tema de estudos sobre a proteção e avaliação dos recursos hídricos do sistema Aqüífero Guarani (SAG) entre 2003 e 2006.

Estes estudos foram feitos, exatamente, pelo desconhecimento do potencial hídrico do aqüífero e a geração de insegurança dos agentes públicos, responsáveis pela gestão das águas no município, quanto a sua explotação e sustentabilidade.

O projeto, realizado em parceria com a UFMG, UFMS, IGAN CDTN, previa estudos para implantação conjunta de ações de proteção e gestão sustentável do aqüífero. Este projeto foi financiado por organismos internacionais. De acordo com estes estudos, no município de Araguari encontram-se os aqüíferos Serra Geral e Bauru da formação Botucatu e Marília, tendo em vista as suas formações geológicas que apresentam sobre basaltos sobrepostos por arenitos.

A explotação das águas subterrâneas no Município de Araguari é um fato preocupante. O gerenciamento da qualidade e quantidade de água do aqüífero ainda é deficitário. A água usada no abastecimento público é totalmente extraída de aqüíferos subterrâneos e distribuída a toda rede urbana da sede do município e distritos. Os poços de captação estão distribuídos em vários setores da cidade e muitos deles, principalmente os primeiros datados de 1947, construídos sem controle técnico.

Por muitos anos em Araguari, em cada casa havia uma cisterna, perfurada próxima, muitas vezes, de fossas secas, chamadas de “casinhas”, que mais tarde foram substituídas por banheiros, ou de pocilgas, galinheiros, etc. Ainda, não é difícil de encontrar nas periferias casos como estes, e por algum motivo não são coibidos pela administração pública. Isso contribuiu por muito tempo para a contaminação das águas subterrâneas na área urbana do Município.

O esgotamento residencial, comercial e industrial é canalizado até fossas sépticas e lançados na rede de captação pública onde é despejado no Córrego Brejo Alegre, sem nenhum tipo de tratamento. Portanto, Araguari ainda, mesmo dependendo de cem por cento das águas subterrâneas para seu abastecimento público, possui ações tímidas de controle e proteção do aqüífero Guarani em seu território.

A situação-problema detectada no município de Araguari/MG é que todo esgotamento sanitário e pluvial da cidade é lançado num córrego que corta sua área central. O esgoto doméstico e industrial é captado através de fossas sépticas interligadas a rede pública, porém, muitas residências ainda fazem ligações diretas e irregulares na rede de água pluvial. No trecho coberto, na Av. Cel. Teodolino P. de Araujo, o esgoto é separado da água pluvial, escoados em tubulações independentes até a Av. Minas Gerais. Deste ponto a diante corre a céu aberto, tanto esgoto como água pluvial. O córrego Brejo Alegre deságua no Ribeirão Jordão, distante uns 10 km da cidade. Este córrego apresenta sinais de assoreamento e várias voçorocas causadas pelas águas pluviais que são esgotadas por gravidade dos bairros do entorno.

Como o Córrego Brejo Alegre é todo poluído com os dejetos sanitários de toda a cidade e ele faz parte da bacia de recarga do aqüífero subterrâneo e o esgoto não recebe tratamento, bem como, área de afloramento da Formação Marília do Grupo Bauru (figura 1) está sendo aterrada com entulhos da construção e demolição, na Central de Entulhos do bairro Sibipiruna, e não há uma política de planejamento urbano e ambiental na cidade, não há um sistema de informações georreferenciadas e não há uma visão sistêmica dos princípios de sustentabilidade para reabilitação ambiental, conclui-se que o Aqüífero Guarani corre certo risco de contaminação devido a ações antrópicas que, culturalmente, se baseiam em comportamentos por um desenvolvimento a qualquer custo.

Enquanto não se configurar uma revolução intima em cada um que usufrui deste manancial pela conscientização de seu uso racional e sustentável, uma reação em cadeia pode ser provocada e, aqueles 0,66% de água doce subterrânea existente no mundo, poderão não mais existir num futuro próximo, onde, as futuras gerações pagarão o ônus pela incompetência da geração atual.


Comentários

  1. Alessandre,

    Uma fossa séptica com filtro anaeróbico medindo 2m de diâmetro e 2m de fundura custa algo em torno de R$2.200,00. Pode dar vazão pra duas famílias. Caso deseja-se purificar água utilizada em vasos sanitários há a necessidade de se acrescer um outro filtro de R$900,00. São gastos possivelmente únicos já que bactérias tomarão conta desta pequena usina de esgoto. É um preço relativamente baixo para o grande valor do meio ambiente. Sai mais proveitoso que energia solar distribuída por alguns governos.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Comentários Moderados.
Só serão publicados após aprovação do editor do blog.
Não serão publicados comentários de Anônimos, fora do contexto da postagem ou que utilizam de linguagem inadequada.

Postagens mais visitadas deste blog

Patrimônio Cultural Imaterial e Material

As vantagens do calçamento de pedras

Crescimento x Desenvolvimento